domingo, 13 de abril de 2014

El Ruido de las Cosas al Caer de Juan Gabriel Vásquez

Sinopse

Tan pronto conoce a Ricardo Laverde, el joven Antonio Yammara comprende que en el pasado de su nuevo amigo hay un secreto, o quizá varios. Su atracción por la misteriosa vida de Laverde, nacida al hilo de sus encuentros en un billar, se transforma en verdadera obsesión el día en que éste es asesinado.

Convencido de que resolver el enigma de Laverde le señalará un camino en su encrucijada vital, Yammara emprende una investigación que se remonta a los primeros años setenta, cuando una generación de jóvenes idealistas fue testigo del nacimiento de un negocio que acabaría por llevar a Colombia —y al mundo— al borde del abismo. Años después, la exótica fuga de un hipopótamo, último vestigio del imposible zoológico con el que Pablo Escobar exhibía su poder, es la chispa que lleva a Yammara a contar su historia y la de Ricardo Laverde, tratando de averiguar cómo el negocio del narcotráfico marcó la vida privada de quienes nacieron con él.

A Minha Opinião

Este livro acabou por despertar a minha atenção por dois motivos: por um lado, pelo facto de se passar na Colombia (país sobre o qual sei pouco) e ter alguma ligação a Pablo Escobar e, por outro, pelo facto de ser um livro premiado. Não posso dizer que a sinopse, só por si, tenha sido suficiente para me cativar, mas a conjugação desses elementos acabou por me levar a comprá-lo.Como podem ver, não parti para esta leitura com expetativas especialmente elevadas e penso que isso jogou a seu favor e fez com que apreciasse muito mais a sua história. 

Este é, sem dúvida, um daqueles livros que, a princípio, parecem ser relativamente simples ou básicos quanto à sua premissa, mas depois de ler as primeiras páginas apercebemo-nos de que, na realidade, oferece muito mais do que aquilo que inicialmente poderiamos pensar. Aliás, é precisamente a sua aparente simplicidade que atrai o leitor e que leva a que se deixe envolver pela história de Antonio Yammara e da sua amizade com Ricardo Laverde, um homem bastante enigmático ao início, mas cujo passado vamos conhecendo aos poucos.

Yammara e Ricardo não são propriamente personagens que se assemelhem. A sua amizade foi fruto de um mero acaso e a verdade é que Yammara pouco sabe sobre Ricardo, o que acaba por se tornar numa verdadeira obsessão depois de este ser assassinado. Aliás, são as sensações de vazio, de obsessão por saber mais e, de alguma forma, distanciamento da realidade que contribuem para o tom melancólico que acompanha toda esta narrativa, algo muito bem conseguido por Juan Gabriel Vásquez e que em momento algum enfada o leitor.

Gostei bastante da forma como o passado de Ricardo foi desvendado e de ficarmos a conhecer melhor a sua família, especialmente Elaine (ou Elena, como era tratada na Colombia) a mulher com quem partilhou a sua vida e com quem teve uma filha, Maya. Ricardo não passava de um sonhador - e, de certa forma, algo ingénuo -, característica que partilhava com Elaine, mas enquanto esta dedicava os seus esforços ao voluntariado e a a ajudar em zonas mais rurais da Colombia, ele aplicava os seus talentos ao narcotráfico e isso acabou por lhe custar a sua liberdade.

Além disso, a própria forma como esses detalhes eram partilhados era bastante interessante, em especial pela forma como afetava a vida de Antonio e Maya, meros ouvintes e leitores de algumas casseste e cartas que permitiram unir as pontas soltas e traçar a história de Ricardo e Elaine. Viviam-no de forma especialmente intensa e isso acabava por conduzi-los a momentos de maior introspeção e de auto análise.

No geral, um livro que me surpreendeu pela positiva e que me agradou bastante. Não é propriamente uma leitura animada, mas dá-nos um retrato de um país que ficou marcado pelo "reinado" de Pablo Escobar, em que o medo acabou por marcar uma geração inteira. É um livro sobre amizade e sobre o amor nascido em tempos menos propícios ou marcado por acontecimentos traumatizantes que nos cativa com as suas personagens e com as suas histórias.

Classificação: 4 estrelas

5 comentários:

Jose disse...

Se não tivesse tantos livros na minha wishlist, este era bem capaz de vir ter a casa :P Gostei de ler a tua opinião, como sempre :)

Ana Costa disse...

Obrigado José ;)

Então quando tiveres a oportunidade aproveita, pelo menos pareceu-me ser um livro que valia bem a pena :)

Fiacha disse...

Ois,

Um escritor que admiro bastante, apenas li 100 anos de solidão e cronicas de uma morte anunciada e adorei ambos, cada um à sua maneira.

Grande escritor sem duvida ;)

Bjs e boas leituras

Ana Costa disse...

Autores diferentes Fiacha ;) do Gabriel Garcia Marquez ainda só li crónica de uma morte anunciada e as memórias das minhas putas tristes mas já tenho um terceiro na minha estante à espera ;)

Bjs

Fiacha disse...

lol

Que disparate tens toda a razão :D

bjs

Enviar um comentário